VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

sábado, 9 de junho de 2012

TJ-SP REVÊ DECISÃO SOBRE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS

http://intranet.tjsp.jus.br/images/imagemBranca.JPG
A Interbank Investimentos e Participações, que na década de 80 atuava como distribuidora de valores, perdeu na Justiça o direito de cobrar do Banco Fenícia - que pertencia ao grupo Arapuã - expurgos do Plano Verão, por operações realizadas em janeiro e fevereiro de 1989. A corretora queria receber a diferença de correção por ter intermediado empréstimos tomados, na época, pelo Fenícia do Banco Itaú, por meio de depósitos interbancários (DI).


Apesar de a decisão que autorizava o pagamento à Interbank ser definitiva, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) cancelou a obrigação ao analisar uma ação rescisória proposta pela instituição financeira. Esse tipo de procedimento de revisão de processos transitados em julgado é autorizado para situações específicas previstas na legislação processual.

O advogado que representa o Fenícia, Leonardo Lins Morato, sócio do Veirano Advogados, afirma que a discussão começou em 2004, ano em que a corretora propôs 24 ações contra bancos pela mesma razão. Calcula-se que os valores envolvidos nos processos chegariam a R$ 6 bilhões, sem correção. Além do Fenícia, segundo o advogado, ações semelhantes foram propostas pela corretora contra o HSBC, Citibank, WestLB e BankBoston (adquirido pelo Itaú Unibanco).

"Na época, esse assunto chegou a ser discutido com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e realmente preocupou porque envolvia cifras enormes", afirma o advogado Ricardo Tepedino, do escritório Tepedino, Migliore e Berezowski, que chegou a atuar em alguns casos sobre o tema.

A importância do julgamento, além da abrangência da discussão, está no fato de o caso ter sido avaliado por sete desembargadores - e não por três - e indicado para o repertório de jurisprudência da Corte.

A tese defendida por Morato é a de que o depósito interfinanceiro ou interbancário não se confunde com aplicações como o CDB, e muito menos a caderneta de poupança, situações em que os tribunais foram favoráveis à restituição dos expurgos aos aplicadores.

De acordo com ele, a Interbank foi contratada como mera intermediadora no negócio efetuado entre seu cliente e o Itaú. Essa operação, como afirma, foi registrada na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip) em documento que indicou esse fato. Sendo assim, o advogado defende que a operação não foi contratada para a Interbank, mas em favor de determinado banco. Por se mera intermediadora, a corretora não poderia cobrar a correção de valores que pertenceriam ao banco credor da operação.

O relator da ação rescisória no Tribunal de Justiça, desembargador Heraldo de Oliveira, acatou a argumentação do Fenícia. Para o magistrado, a corretora não teria legitimidade para pedir na Justiça os valores discutidos na ação, pois seria apenas a intermediadora "na aplicação de DI, em que contratada entre duas instituições financeiras, quais sejam a autora e o Banco Itaú".

Nesse sentido, segundo o magistrado, quem teria legitimidade para pleitear a correção seria o Banco Itaú, titular da aplicação e credor dos resgates debatidos. Procurado pelo Valor, o escritório de advocacia que representa a Interbank não deu retorno até o fechamento da edição.
Fonte: Valor Econômico
Por Zínia Baeta | De São Paulo
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
A vida sempre vale a pena. Viva! Simples assim.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog